Idosos em Segurança

Os idosos encontram-se entre as faixas etárias da nossa população que se encontram mais desprotegidas da ação dos criminosos, não só por já não terem a robustez física de outrora, mas também, infelizmente, pela solidão em que muitos vivem e pela falta de informação sobre os comportamentos de segurança que devem adoptar para prevenir eventuais crimes de que possam ser vítimas.

Importa, assim, sensibilizar os nossos concidadãos de idade mais avançada para um conjunto de comportamentos que devem ter para melhorarem a sua segurança.

Vida social

  • No âmbito dos seus relacionamentos, procure conhecer os elementos da força policial da sua zona da sua zona. Verá que nele encontrará um amigo para o auxiliar nos seus problemas de segurança.
  • Mantenha contacto regular com vizinhos em quem tenha confiança, estabelecendo com eles uma rede de ajuda de proteção recíproca.
  • Relate os seus problemas de segurança aos funcionários de instituições de apoio à 3ª idade que o visitam.

Em casa

  • Esteja atento a comportamentos suspeitos na sua rua ou bairro, isto é, situações que, por algum motivo, indiciem a ocorrência ou a preparação de possíveis crimes.
  • Mantenha as portas e janelas fechadas. Certifique-se que estão fechadas sempre que sair.
  • Nunca deixe as chaves na porta;
  • Sempre que se ausentar de sua casa por vários dias informe a GNR (ou a PSP, se for o caso).
  • Se estiver sozinho(a) em casa e for assaltado(a) não deixe que se apercebam que está sozinho. Finja que está acompanhado(a) de um familiar ou amigo e chame por ele.
  • Se a sua casa tem janelas muito perto da porta, evite deixar a chave na fechadura, pelo risco do criminoso conseguir alcançá-la, pondo o braço para dentro e destrancar a porta.
  • É importante que a porta que dá para a rua possua visibilidade para identificar quem chega.
  • Jamais abra a porta sem ter certeza de quem bate.
  • Nunca aceite serviços que não pediu, ainda que sejam de graça e que quem os oferece seja muito gentil e simpático ou esteja bem vestido.
  • Guarde o seu dinheiro em lugar seguro, isto é, de difícil acesso para quem não é de casa.
  • Não guarde grandes quantias de dinheiro em casa.
  • Se possível, tenha uma extensão do telefone no seu quarto ou um telemóvel para a eventualidade de precisar chamar a polícia pelo 112, caso a sua residência seja assaltada ou esteja em vias de o ser. Pode selecionar a opção de marcação rápida de um número de emergência no seu telemóvel. Se tiver dificuldade em fazê-lo peça ajuda a uma pessoa da sua confiança.
  • No seu quarto e noutra parte da casa em que passe mais tempo tenha também números de telefone de emergência, de parentes ou pessoas a quem possa pedir ajuda.
  • Esteja sempre atento(a) ao entrar e sair de sua residência. Muitos criminosos abordam suas vítimas nestes momentos porque estas estão distraídas.
  • Se mora só com outra pessoa idosa estabeleça com ela uma parceria para a segurança de ambas, pois a reciprocidade de cuidados com a segurança reforça a proteção de todos(as).

Na rua 

  • Evite circular sozinho na rua, principalmente de noite;
  • Evite dar informações sobre a sua vida a pessoas estranhas, por mais vontade que tenha de falar com alguém.
  • Transporte consigo apenas o dinheiro necessário. Evite usar objectos de valor, carteiras na mão ou no bolso, de forma visível.
  • Não saia sem o seu Bilhete de Identidade ou Cartão do Cidadão.
  • Evite conversar com estranhos. Se alguém numa viatura lhe pedir alguma indicação responda sem se aproximar muito da mesma.
  • Em caso de abordagem por desconhecidos, procure estar atento aos seguintes aspectos: nos veículos tomar atenção à marca, modelo, cor, matrícula, tipo de carro (carrinha, camioneta, carro, etc.), número de ocupantes; nas pessoas, tomar atenção idade, altura, sexo, etnia, cabelo, bigode, barba, óculos, roupas e sinais.

Outros cuidados

  • Na rua e em casa, atenção aos burlões. Normalmente são pessoas bem vestidas (fato e gravata), com voz calma e afável, com uma conversa muito convincente e cativante. (conseguem levar a vitima a fazer aquilo que não quer).
  • Uns fazem-se passar por funcionários de empresas privadas ou instituições públicas (gás, água, eletricidade, segurança social, bancos, etc) e outros fazem-se passar por conhecidos de um familiar no estrangeiro, que vem pedir “ajuda” para essa pessoa, sendo que nestes casos pedem sempre dinheiro.
  • Por outro lado, é também frequente os burlões dizerem à vítima que ganharam um prémio ou que possuem poderes curativos e de bruxaria que afastam todo o mal das vítimas.
  • Há ainda outros que, identificando-se como pertencendo a alguma instituição pública (Segurança Social, Câmara Municipal, Junta de Freguesia, Banco de Portugal, etc.), afirmam que o Euro vai acabar e que será substituído pelo Escudo ou que as notas de Euro em circulação vão deixar de ter validade porque vão ser substituídas por novas. E os mesmos indivíduos “oferecem-se”, com toda a gentileza, para fazer a troca, levando consigo o dinheiro com a falsa promessa de que regressarão em breve com dinheiro novo.
  • Finalmente, e não menos importante, não esquecer que deve procurar esclarecer todas as dúvidas e denunciar situações que considere suspeitas às forças de segurança, no nosso caso a GNR, que têm um programa específico para a segurança da população idosa, o Programa Apoio 65 – Idosos em Segurança, o qual também conta com a participação de instituições que prestam ajuda domiciliária, como a Santa Casa da Misericórdia de Azeitão.
Anúncios